31.8.08

Caetano continua lindo

Existe certo consenso na idéia de que Caetano já foi melhor, foi bom até os anos 80, alguns chegam nos 90. De alguma maneira, não é mais legal gostar de Caetano. Uns dizem que Caetano é midiático e fala muita bobagem (fala, sempre falou e provavelmente vai continuar falando, não? - tem coisa mais boba que o discurso do Festival de 68?) e outros dizem que sua música não tem a mesma qualidade - tem gente até que usa a palavra "experimental": Caetano não é mais "experimental". Para ficar nos últimos anos: sua ida no Faustão cantando Nirvana foi para doer o coração de qualquer intelectual da esquerda, o dueto com a Sandy foi outra facada - mas ninguém disse que Miltom também gravou com a Sandy - sua entrevista para a Cult foi outra coisa e cada entrevista de Caetano é assim, uma proliferação de qualquer coisa.

A questão é que Caetano sempre foi deste jeito meio lindo meio tudo e isto não é coisa dos últimos anos. Se não gravou Nirvana, gravou Billie Jean. Se não foi no Faustão, foi neste especial do Roberto Carlos em 1975 - uma jóia do Youtube - que deve ser até pior. E sua música não envelhece. Se há um disco melhor e outro pior, não acho que isto tenha relação com os últimos anos. Minhas lágrimas é uma das canções de Caetano que mais gosto. Não gosto desta coisa "dos últimos anos" porque parece sempre que quem não viveu "os primeiros anos" então não tem direito a uma experiência tão legítima quanto. O Cê é um disco muito bom e é o último. É rock e tem até palavrão. E é lindo.

Nenhum comentário: