30.8.08

Elogio do Faustão

Tenho um amigo que dia destes disse na mesa do bar, assim do nada: "putz, piro no Faustão". E era verdade mesmo. Não é destes amigos que fazem o elogio da baixa cultura só pra chocar teus outros amigos que estão na mesa querendo conversar sobre qualquer coisa que consideram mais relevante que o Faustão.

(Bem rápido: lembro de um amigo que é assim deste jeito. Teve um dia que apresentei a ele uns estudantes de cinema e dois minutos depois, assim que pediu um café, estava afirmando que o cinema era uma arte menor e que para ter uma formação consistente no cinema bastava ficar três ou quatro semanas assistindo meia-dúzia de cineastas e tudo certo. Claro que deu problema. Mas deixa eu voltar para o Faustão)

E então o Daniel veio cheio de argumentos fazendo a defesa do Faustão. Tinha uma sinceridade no olhar. De modo geral, queria me convencer de que o Faustão é o melhor do domingo. E é.

Contou três histórias do Faustão.

Uma delas foi no dia que o Domingão recebeu o Felipe Dylon. Depois de três músicas no playback, o Faustão anunciou a quarta e disse: "Oh louco!, quem sabe faz ao vivo!". E parece que o Felipe Dylon nem entendeu a gracinha.

A outra foi com o Zé Ramalho. Naquelas falas bem rápidas que o Faustão solta da primeira parte da música para a segunda, depois do refrão, acredite se quiser, saiu esta: "O que importa é a beleza interior!" Diferente de Felipe Dylon, o Zé Ramalho entendeu a gracinha e até soltou uma tossidinha no microfone.

E a terceira eu achei a melhor. Foi naquelas espécies de debates que faziam, geralmente com os atores da Globo - ficavam todos falando qualquer coisa e comendo uma pizza atrás da outra, lembrando o melhor de Greenaway. Estavam discutindo a pobreza no país. Não sei como o Faustão entrou no assunto, mas parece que ele contou uma história assim: "Olha, a crise 'tá tão ruim, o negócio 'tá tão ruim, que eu tenho um conhecido que trabalha no circo, .. e ele comprou um anão, e depois de duas semanas o anão começou a crescer!"

É ou não é o melhor do domingo?

Nenhum comentário: