26.9.08

Feedback

Nesta semana, uma colega que faz doutorado - com toda razão - me escreveu a seguinte mensagem: "Olha, Victor, vou te dizer uma coisa, eu gosto dos ensaios que você escreve e também dos teus poemas, mas acho péssimo este teu blog aí, péssimo"

6 comentários:

Fábio Brüggemann disse...

se o victor escrevesse seus poemas e seus ensaios com a linguagem do blogue, eu gostaria bem mais dos seus poemas e dos seus ensaios.

Victor da Rosa disse...

poxa, você ama meu blog!

Nando Nazareth disse...

Caro Victor,

Assinante do seu blog no Bloglines, fiquei curioso com a mensagem e vim conferir para ver se eu havia perdido alguma coisa. Constato com alívio que o formato continua clássico e o conteúdo interessante e claro.
Imagino que no texto integral da mensagem sua amiga aponte alguns dos critérios que ela teria usado para a classificação como "péssimo".
Isso para o bem de todos.
É que eu ainda me intrigo com "especialistas" que distribuem "classificações" sem "explicações" que possam auxiliar um leigo (em tudo!) como eu a fazer uma avaliação criteriosa.
Por exemplo, o Arnaldo Jabor (por supuesto, especialista em cinema) que, no meio de uma crônica sobre "cinema norteamericano X cinema europeu", en passant, a propósito de nada (que eu visse) que pudesse contribuir para reforçar seus argumentos, assim, sem mais aquela, classifica alguns dos filmes do Altman como "rídiculos". Eu, que gosto de alguns dos filmes deste realizador e não de outros, por motivos pessoais, fiquei me sentindo "ridículo" sem a menor chance de defesa.
Eu acho isso ridículo (mas, ao menos, tentei explicar por quê)!
Um abraço do "Assinante"
Nando
PS - Eu usei duas classificações aí em cima: "interessante", que eu acho que é tudo o que um blog precisa ser para merecer minha (modestíssima) atenção, e "intrigante", que é... Não sei. Precisa explicar?
PPS - Se achar que o comentário ficou grande demais, pode cortar.

Victor da Rosa disse...

Olá, Nando, grato pelo comentário.

Concordo com você. As classificações, se não há argumentos, são sempre autoritárias. Talvez devéssemos então ser tão autoritários quanto e ignorá-las.

Neste caso, acho que minha colega leva a coisa meio a sério, não sei. Na verdade, eu achei divertido pela direta, por isso publiquei.

Outro abraço em você,
Victor.

Tecia Vailati disse...

idem fábio

Victor da Rosa disse...

acho que vou abrir uma enquete.