8.11.08

El astronauta paraguayo

Conheci o Douglas Diegues, depois de anos lendo os textos dele, el portunhol selvagem. O primeiro livro seu que encontrei foi na Bienal da Lisette, através da Eloisa Cartonera, Una flor en la solapa, divertidíssimo. Agora Douglas está em Florianópolis, se refugiando. Um bom lugar pra se refugiar. Veio, gostou e ficou.

E quando você volta, Douglas?

Voltar pra onde?

Em muitos sentidos, ele não sossega. É uma máquina de idéias, vive andando pelo mundo e morando nos lugares. Tivemos mais de quinze idéias em apenas 30 minutos de conversa. Média de uma a cada dois minutos. Primeiro no Centro Cultural Arquipélago e depois na abertura do Salão Victor Meirelles. Eu também sou uma máquina de idéias, mas não ouso me comparar à fúria incontrolável de Douglas. El astronauta está na ilha. E depois ainda fomos beber uns chops. Mas pensei que Douglas bebesse mais.

Estava também El Domador de Jakarés, fiel escudeiro de Douglas, quem cria muitas das lindas capas da Yiyi Jambo, cartonera paraguaia. Acho que El Domador é uma espécie de Sancho Pança tropical - segundo Douglas, um artista retiniano.

Para conhecer a literatura de Douglas Diegues, aqui, ou aqui, e mais recente aqui.

Nenhum comentário: