8.1.09

Nota de leitura: Dostoiévski

Jamais li um autor que construísse enredos tão complexos quanto Dostoiévski. Sobretudo em seus romances mais extensos, a impressão é que o autor abre inúmeros arquivos e faz sair de lá todo seu conteúdo e todo acaso de conteúdo - objetos velhos, roupas íntimas, frascos vazios de perfume, cartas de antigas namoradas, um aparelho celular que não funciona mais - tornando o espaço romanesco um verdadeiro caos. Depois, de maneira organizada, no limite de uma obsessão, as coisas retornam todas para os seus lugares. Com uma diferença, apenas: agora estão modificadas.

3 comentários:

mayná quintana disse...

é muito isso, mesmo.

Maiza disse...

imagino um personagem de Dostô se queixando: "Oh, meu celular não funciona mais. Perdi, inclusive, meu chip... Uma lástima perder toda a minha agenda. E tantas mensagens pelas quais tinha tanto apreço."

Mi Stakonski disse...

Uma nota de leitura tão digna quanto as notas do subterrâneo.

é meu escritor preferido, ele.