16.1.09

Uma história de horror

Na mudança que estou fazendo para a casa nova, no dia em que foi necessário chamar o frete para tirar um guarda-roupa velho, tive que ajudar o sujeito a carregar uma peça maior que não queríamos desmontar, a parte de cima, do maleiro. Como não estou acostumado a carregar mais de 5kg, então tive problemas, é evidente. A missão era levar o tal maleiro, junto com o Didinho - um sujeito que não carrega o guarda-roupa inteiro sozinho só porque não tem como abraçá-lo - do terceiro andar até a sua caminhonete, no térreo. Acontece que quando estava descendo as escadas, quase no fim, ainda meio desajeitado, arranhei um dedo da mão direita na parede. Como não deu pra ver, pois estava com as mãos ocupadas, difamei os deuses e continuei o trabalho. Só quando jogamos o móvel dentro da caminhonete, pude ver que saía um pouco de sangue. E tenho horror de sangue. Várias vezes, quando criança, desmaiei no médico. Fiquei olhando meu dedo enquanto Didinho quebrava o maleiro em dois, com um machado. Então Didinho terminou seu trabalho e veio em minha direção, ainda com o machado, e eu, em um ato momentâneo de descontrole, acabei mostrando o dedo pra ele:

Veja só, arranhou.

Ele olhou aquilo - sua expressão estava entre a dúvida e o desinteresse - depois voltou a olhar pra mim como quem não entendia e sequer estava interessado em entender, e não disse nada, absolutamente, e continuou andando, em completo silêncio, fechado em si, mas deve ter pensado coisas horríveis a meu respeito.

Um comentário:

Maiza disse...

histórias traumáticas de guarda-roupas e mudanças. tb tenho uma: o proprietário do apê que eu alugava no campeche está tentando roubar meu guarda-roupas. me mudei em dezembro e ele deu um jeito de prender meu guarda-roupas lá até hj. estou com ódio no coração.