11.5.09

Garota de Ipanema: uma canção bipolar

Nunca entendi como a letra de Garota de Ipanema pode ter uma parte tão boa e outra tão ruim. A única explicação que me ocorre é que Vinícius escreveu acompanhado de uma garrafa de uísque, foi ficando bebs, escreveu a parte final de qualquer jeito e ficou com preguiça de mudar no outro dia já que - considerou - tinha mais o que fazer. Sim, Vinícius é um letrista de poucos versos, nunca ou quase nunca escreveu algo com acabamento invejável, disso já sabemos, mas em Garota de Ipanema a diferença realmente me salta aos olhos.

A primeira parte, formada de dois tercetos, é super cadenciada - tem estruturas bem rígidas e difíceis de elaborar. No primeiro terceto, o primeiro verso tem treze sílabas e é acompanhado por outros dois versos com onze sílabas; o mesmo acontece no segundo terceto. As rimas não são extraordinárias, mas funcionam; a comparação entre o balançado da moça a o poema também deixa a coisa bonita, meio cafajeste, fica legal; e o ritmo dos versos parece realmente perfeito, com pequenas aliterações, variações redondinhas entre sílabas fortes e fracas, etc. O que a moça pensa? - Com todo este ritmo, o sujeito me conquistou, estou na dele.

Mas aí o Vinícius se perde, naquela história que eu disse, já bebinho e tal, e a segunda parte meio que estraga tudo. Entra uma coisa super depressiva, ninguém me ama ninguém me quer, que não tem naaaaada a ver com o começo da letra. Como que tudo pode ser tão triste com uma mulher destas passando ali, meu Deus, a poucos metros de distãncia? Tudo bem, o Vinícius já era quase um cinquentão, provavelmente não teria chance com a mina, quer se lamentar, mas tipo, bród, não apela. Se a canção é sobre a mina que está passando, continua na mesma linha, não perde o foco, não perde a rima. Não é deste jeito que a mina vai te querer.

E o pior é que depois a música volta no esquema anterior. De repente o mundo fica bonito por causa do amor e coisa e tal. Mas, então tá, pra eu entender, primeiro a mina passa e é a mina que vem e que passa e aquela coisa toda, então tudo fica triste e depois, sem mais nem menos, a coisa fica toda bonita por causa do amor? O que aconteceu neste meio tempo que ninguém viu? Quer dizer, o sujeito mistura bossa-nova com uma pegada mais emo e ninguém fala nada. É uma canção bipolar.

14 comentários:

Anônimo disse...

acho que bebim tava vc para fazer tal análise, por isso nem vou comentar, não antes de tomar umas quatro ou cinco cervas.

Victor da Rosa disse...

vaia de bêbado não vale - poderia ser a minha epígrafe, que acha?

Anônimo disse...

já tem dono.

Pedro Bennaton disse...

Victor, é meio óbvio, na minha opinião, que depois que a garota primeira passa, vem uma segunda garota que passa e que deixa ele meio confuso com essa ploriferação de garotas.

Victor da Rosa disse...

neste caso, na minha opinião, o título teria que ser Garotas de Ipanema.

Anônimo disse...

que saco

Anônimo disse...

soh tem uma garota, isso sim eh obvio! viagem!

Anônimo disse...

victor, tenho que confessar algo - eh muito legal ser anonimo no seu blog. a gente se multiplica!

Anônimo disse...

jean mafra em minúsculas disse...

victor, o emílio tem uma teoria bem interessante, e parecida com a sua, a respeito desta canção. acho que renderia um bom papo, com uma gelada acompanhando.

Fabricio C. Boppré disse...

Tu tens uma certa obsessão com esse negócio de emo, não?

Victor da Rosa disse...

eu jogo os anônimos todos na mão de deus.

Anônimo disse...

pare de tomar a pílula / pare de tomar a pílua

Anônimo disse...

pare de tomar a pílula / pare de tomar a pílula