7.5.09

Luis Dolhnikoff erra outra vez

O título da resenha de Luis Dolhnikoff, publicado na revista Sibila, Na quarta tentativa, Chico escreve livro decente, parece um bom exemplo de como uma crítica pode ser absolutamente autoritária sem, de fato, sugerir qualquer discussão. Não faço nenhuma defesa de Chico, até porque não gosto tanto assim de seus livros, embora nem de longe considere má literatura - o último ainda não li - e muito menos faço defesa de uma crítica amena, mas eu esperava que pelo menos Dolhnikoff dissesse os motivos através dos quais considera os livros anteriores de Chico tão "indecentes", já que esta é a grande promessa que o título nos dá. Coisa que não acontece. Aliás, o crítico sequer menciona os livros anteriores - talvez tenha citado no final, pois não li o texto inteiro (se alguém teve paciência e eu estiver errado, por favor, me corrija). O máximo que faz é uma revisão meio elogiosa e meio mais ou menos de Leite derramado. Além de tudo, há um erro no título: este não é o quarto livro de Chico. Dolhnikoff deve ter esquecido de Fazenda modelo e Chapeuzinho amarelo, pelo menos. Não foram publicados pela Companhia das Letras, mas também são livros.

8 comentários:

Júlia Eleguida disse...

ontem achei um poesia tua pendurada numa árvore, surrealismo? não proezas do cic mesmo

Anônimo disse...

sua poesia tá dando em árvore agora?

Victor da Rosa disse...

sim, me pareceu um excelente trocadilho.

Ruy Vasconcelos disse...

gostei da nota, rompe com esses rapapés tão sem futuro q. a gente vê passando de um escritor para outro num resenho-clubismo endêmico e sem sal. é o q. a gente chama aqui em fortaleza de 'confraria do elogio mútuo'. é bom ser ranzinza de vez em quando. diria mesmo q. é imprescindível.faz bem pros nervos!

Anônimo disse...

que vagaba

luis dolhnikoff disse...

Errar é humano, como já dizia Confúcio, mas a desinformação arrogante é outra coisa. O senhor perde espaço e tempo para criticar meu título & a falta de relação do título com meu texto. Acontece, meu caro senhor, que editores de publicações têm por hábito impor seus títulos. É um fato cotidiano e conhecido. Não por acaso, esse título não é meu, mas do editor. Já o senhor desconhece os fatos mais básicos do meio literário e editorial. Portanto, seria mais prudente se fosse mais comedido, para não errar tão ociosamente.

luis dolhnikoff disse...

Post Scriptum: Além disso, editores costumam ter razões e expertise para gerar seus títulos, parte habitual de seu trabalho. Neste caso, o título serve como contextualizador da matéria, referindo de forma sintética o restante da obra propriamente romanesca do autor em questão, ao mesmo tempo em que introduz o novo livro. Coisa de profissional. Já um ds problemas maiores da internet é justamente a proliferação sem fim e sem critérios de amadores.

Giovani Iemini disse...

opinião é como bunda, cada um usa a sua como quer.