10.6.09

POLÍCIA.POLÍCI.POLÍCI.POLÍCI.POLÍCI.POLÍCIA

Quem fez parte das manifestações do Passe Livre, em Florianópolis, sabe a importância de um prefeito/governador na 1) negociação ou 2) na repressão de movimentos sociais. Por incrível que pareça, com algumas variações, Ângela Amin fez questão de dialogar até o final enquanto Dário Berger convocou não só a PM como também o exército. José Serra, futuro candidato a presidência, em manifestações de alunos da USP, ontem, optou pela segunda opção, aqui, fazendo quebrar uma regra que na UFSC, por exemplo, não lembro de ter sido quebrada: a presença de uma tropa no campus. O resultado:





Atualização: bem, não queria fazer um post grande e nem ser mal interpretado, mas fica parecendo mesmo que estou dizendo que a Ângela Amin é uma grande negociadora e não uma truculenta, como é. A única coisa que importa mostrar é que existe uma linha de força da polícia em direção às manifestação sociais e que isso acontece a partir de uma posição política do Estado. Ângela Amin teve seus motivos estratégicos pra "negociar", provavelmente, como período de eleição e cisão com o governador, diferente de Dário, que contou com todo o aparato do Estado, mas...

Atualização: vídeos da USP, aqui, aqui e aqui.

Atualização: outro vídeo, aqui.

4 comentários:

Anônimo disse...

não sei na administração da ângela, mas em 2007 a PM não só entrou na ufsc, como também jogou bombas de gás nos estudantes, que se reuniam na rótula da bu. a rbs estava presente e filmou tudo, mas, claríssimo, nada foi ao ar.

Victor da Rosa disse...

isso na manifestação do passe livre? e não há estas imagens em lugar nenhum da internet? um amigo acabou de me dizer que na invasão da reitoria também entrou polícia, mas não creio que tenha sido uma tropa, o que não muda tanto, mas muda um pouco.

Júlia Eleguida disse...

foi sim a tropa de choque, com seus cacetetes e toda a truculência habitual, entraram na ufsc e jogaram as malditas bombas nos estudantes, como disse o anônimo acima. assim como em 2005 a tropa jogou uma bomba de efeito moral na antiga faed do centro.

sempre foram truculentos. não vejo grandes diferenças.

Anônimo disse...

eu sou a favor de descer o porrete nessa turma de baderneiros. o estudo gratuito. vamos a universidade para estudar e não para fazer arruaça. a polícia nessas horas é sempre bem-vinda. quem não estiver feliz que dê a sua vaga para quem precisa.
polícia para quem precisa. nesse caso, estou de acordo. e não me venha com essa história de patrulha ideológica. por favor, sejam inteligentes para argumentar.