25.7.09

Quem eu penso que sou

They ou us, quem você "pensa" que é?, aqui, réplica de Fátima Lima ao texto que publiquei no DCultura do último sábado, Um tapinha não dói.

24 comentários:

Anônimo disse...

e agora, victor?

Victor da Rosa disse...

estou consultando a minha equipe.

Anônimo disse...

um texto sem nexo, victor. será que essa " suposta" professora é sócia daquele " suposto" espaço de arte?

Anônimo disse...

bom, se o victor considerar o texto como algo sem nexo eu vou começar a desconsiderar esse blog.

Anônimo disse...

chaaaaata, parei de ler no meio, alguém me conta o resto!

Anônimo disse...

ah! juventude, sempre causando inveja.

Anônimo disse...

lembrei de ti http://setimoprojetor.blogspot.com/2009/05/jogos-viris-jan-svankmajer-1988.html

Anônimo disse...

o babaquinha mostra sua verdadeira fasse

Anônimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=gCqQ2JcQWGs

eh mostra a sua vdd fasse11!

Anônimo disse...

a verdadeira " fasse" . meu deus! socorro pasquale neto.

miimss disse...

e a gente finge que o 'fasse' foi um erro desproposital.

Anônimo disse...

essa suposta professora estava aonde até hoje, na lua?
tantas coisas acontecendo na cidade (vamos falar só do circuito artístico sua "especialidade": nunca, li nenhuma matéria da sra em algum caderno cultural ou coisa do gênero. a sra já poderia ter escrito falando sobre tantas coisas estranhas que andam acontecendo nesse circuito.
mas, não! professora. a sra. se omite. não existe fora do muro universitário. e, agora, me aparece do nada com um texto cheio de unhas e dentes. um texto histérico e aborrecido. o que é que te incomoda tanto? parece coisa de dona de casa invejosa. coisa feia. a sra, professora, poderia agir como as suas colegas de departamento que pelo menos disfarçam; ora. são "artistas" ou ora, " curadoras" dependendo da ocasião. elas só não escrevem nada, por isso não sabemos o que pensam sobre as coisas. talvez, ou acima de tudo, com medo do português ruim.
então é isso professora de artes. sobre o que a sra " pensa"? a sra tem alguma idéia propositiva, algum projeto, algum evento que organize. ninguém, fora da universidade nunca ouviu falar da sra, isso até então. disfarce, e escreva alguma coisa interessante urgente ou vai parecer que a sra quer pegar carona na fama do " suposto" crítico. professora fátima lima " mostre a sua cara" e o seu " pensamento". a cidade precisa de pessoas como a sra, inteligentes, cultas e com posição definida sobre as coisas.
p.s. mando esse recado no blog de sua vítima, pois a sra, não tem nem blog. crie um, já dará uma certa visibilidade para quem precisa realmente aparecer e mostrar as suas idéias.

Anônimo disse...

que coisa engraçada e um pouco triste também. é só esse gurizão fazer uma crítica qualquer* que aparece um monte de gente 'letrada' puta da cara.

*não digo isso para desqualificar o que o rapaz aí falou. é só para sublinhar com uma bic fluorescente que me parece que ele escreve tão descompromissado, mas é super levado a sério.
agora deve tá rindo da cara de todo mundo enquanto come um cachoro-quente e ajeita o óculos.

nada mais blasé ,jovem crítico.

Anônimo disse...

deus meu, como o victor tem puxa-sacos!

Anônimo disse...

concordo com esse anônimo que disse que essa professora nunca deu as caras por aqui, e agora vem com essa história toda. que vergonha. também com aquele corpo docente, não dá para exigir mais do que isso.

Anônimo disse...

o victor desperta os instintos mais primitivos das pessoas.

Anônimo disse...

bom, então se ninguém defendeu a professora fátima até agora, defendo eu: ela é uma pessoa muito legal e uma professora muito competente no lugar que ocupa (se não me engano, atualmente ela trabalha com cenografia e história do teatro), além de também ter algumas direções teatrais no currículo. ela tb tem uma trajetória longa nas artes plásticas, mas nada muito recente, nada muito contemporâneo. sei também que ela trabalha com grupos de crianças carentes do sul da ilha e que tem um trabalho social com uma galera de escolas de samba. acho que é isso.
sim, nada do que a professora fátima faz interessa ao grupo assíduo deste blog, por isso ela não passa de uma mera desconhecida, mas o fato de ela ser anônima (assim como eu, aliás) não impede nada que ela se coloque crítica diante do texto do victor.
ou impede?
ao contrário do que alguns entenderam, o que ela pede é que não se use o "nós" à toa. e ela também puxa a orelha do victor em relação a sua pretensão no texto, afinal ele se coloca como o único que percebe, o único com olhar capaz, o único ser pensante - o único não, desculpe, mas um dos pouco iniciados. e não tem nada demais esse puxão de orelha, ajuda a crescer, a amadurecer e é bom que seja assim.
penso que o victor pode ter muitas reações diante do texto da professora fátima, mas a mais esperta seria aprender com a crítica.

Lucian disse...

Ora, e ela fez a mesma coisa, se achou mais que muitos, separou o joio do trigo e de maneira muito deselegante. Ela é mais povão, mais Florianópolis, mais tudo que esse suposto exército de jovenzinhos melancólicos. Só esqueceu de perguntar pra quem ela representa (a escola pública, o mundo de verdade) se é isso mesmo que acontece.

Texto deplorável, um punhado de frases de efeito pra maquiar uma argumentação fraca e concentrada não mais que nos preconceitos dela sobre o Victor. E falo isso independente de concordar ou discordar do que ele falou. Só que fica difícil de dialogar com uma postura tão tosca diante da fala do outro, coisa que não é a primeira vez que vejo saindo dela.

Victor da Rosa disse...

puxar a orelha? onde ela pensa que está? na terra do nunca?

Anônimo disse...

ei, essa ssora aí não tá com nada. aí vem um fulaninho tentar defender esse pensamento tosco (como bem notou um amigo aí) que coisa. não se trata de defender o jovem curador ou atacar a velha professora. trata-se, na verdade, de colocar os pingos nos is. ela foi infeliz, porque o ataque foi pessoal. ela nunca apareceu no circuito da cidade, nem pra visitar as exposições. qual é a produção intelectual da tia? deve ser um martírio ter aula com uma ssora dessas. e daí que ela ajuda uma comunidade pobre. a hebe camargo também ajuda. aí meu deus, quanto mais eu rezo, pior a cidade fica. sou a favor de fechar a udesc pra balanço. é isso aí victor, tu tá certo. a cidade não tem ninguém com coragem para mostrar a cara. quando aparece, aparece uma tia rendeira do sul da ilha toda ofendida, te atacando de qualquer modo. puro ciúmes, jovem curador, mantenha-se calmo.

Anônimo disse...

"sou a favor de fechar a udesc pra balanço"

teve a história da gripe A, mas não adiantou de nada. o caso é crônico.

Anônimo disse...

mas em uma coisa ela tá certa: você não se "manisfesta" porque é amigo de todos e não quer se incomodar com nenhum dos lados (o que não deixa de ser compreensível, mas um tanto quanto covarde mesmo). e pra "essezinho" daí de cima: essa "ssora" é bem legal e utilizar o termo - tia rendeira do sul da ilha - é no mínimo grosseiro e preconceituoso.

Anônimo disse...

nasce o novo cacau meneses das artes

Í.ta** disse...

que caramba de comentários como "anônimo"!
não dá nem graça de acompanhar o que se é conversado.
ou seja, tudo continua inútil.