28.9.09

Uma canção baitola

Não há como duvidar que Divina comédia humana, aqui, linda canção de Belchior, é uma canção absolutamente baitola - há muita sutileza, certamente, já que a letra caminha sobre a lâmina fina da indecisão, como em toda grande letra, e há também uma escorregada do Bel (a falta de coragem pra assumir que é giletão - nunca podemos esquecer que o tempo de Belchior era outro e seu espaço era controlado por um imaginário machista e tudo o mais) mas as metáforas estão aí e só não vê quem não quer.

Há duas chaves principais pra fazer a leitura baitola; duas metáforas. Primeiro a metáfora do futebol - "estava mais angustiado que o goleiro na hora da gol" - que ganha conotação erótica somente com a sugestão seguinte (ambígua, mas não muito) - "quando você entrou em mim" - e que é amenizada, finalmente, com a imagem que fecha a primeira idéia, mais abstrata - "como um sol no quintal". Estes versos iniciais são simplesmente arrasadores e ainda constroem uma excelente hipótese do futebol enquanto um esporte absolutamente gay, hipótese que sempre considerei bastante razoável.

A chave da sacanagem depois será explícita - ou um amor em crise, como queira a biba mais romântica - mas o objeto de amor será constantemente apagado, embora apareça em certo momento certa referência a uma mulher - "deixando a profundidade de lado / eu quero é ficar colado na pele dela noite e dia". Na minha leitura, esta aparição do feminino torna evidente o seguinte: Bel é uma biba que nunca quis sair do armário mesmo. Quer dizer, a referência ao feminino aparece só pra ninguém encher o saco dele depois, mas engana só os críticos com formação mais hermenêutica, formalista. Quem lê no inconsciente - "aí um analista amigo meu ....", como diz - pega o Bel de jeito. Ou alguém acha que o Bel foi no analista pra falar de um rolinho que teve com esta moça aí?

5 comentários:

Anônimo disse...

ou o victor caiu de cabeça na batatinha ou este blog foi roubado?

Anônimo disse...

sem dúvida bateu a cabeça!!
ou... o cabeçote!!

Anônimo disse...

ao ler este post aqui lembrei que uma vez li alguma bobagem nessa linha, só que se tratava da garota de ipanema. naquele caso o autor tinha bebido além da conta, mas como o victor não bebe acho mesmo que deve ter batido a cabeça. acontece.

victor, por favor, fale mais de futebol, sim?

Victor da Rosa disse...

ainda tenho a análise de uma canção de odair josé pra fazer; já tá pronta na cabeça.

Í.ta** disse...

a música é linda.

fico nisso.

ps: não virias pra essa cidade aqui?

ps2: te dou razão sobre o goiás. mas demorei para isso. rs...

um abraço.