17.12.09

Brown e a Nike



É impossível que não bata de um jeito assim meio torto a notícia de que Mano Brown assinou com a Nike.

É quando aquele enunciado bem odioso de que "todo mundo tem um preço" passa então a fazer mais sentido.

Não que um artista não possa fazer isso ou aquilo; é que no caso de Brown fica bem incoerente. E acho que hoje o sujeito deve se esforçar, pelo menos, pra ter alguma coerência, nem que seja no próprio erro.

Brown, para mim e para a torcida do Flamengo, acho, no que diz respeito ao modo como um artista lida com o senso-comum da imprensa, por exemplo, era uma espécie de "último romântico" de todo o hemisfério sul.

Uma espécie de Michel Foucault preto e subdesenvolvido.

Agora, assim como Ronaldo e Michael Jordan, Brown é um garoto propaganda da Nike.

Vá lá, é esquisito.

Como se fosse um atleta, foi do Capão Redondo à Moema em um salto.

E com tênis novos.

PS. este vídeo aqui já anunciava algo, será?

7 comentários:

gilvas disse...

existem poucos redutos para nosso romantismo idealista. aqui no brasil, alguns colocam esta responsabilidade em certas figuras de respeito no hip hop, e, diabos, este conceito está errado na raiz. o hip hop nasce na periferia norte-americana, sendo bombardeado por propaganda como qualquer ianque, como bem frisa naomi klein em no logo. com isso em mente, o patrocínio de mano brown pela nike não deveria constituir surpresa.

mas, diabos, o idealista precisa acreditar que existem redutos...

Victor da Rosa disse...

então eu sou um idealista triste.

mas falando sério: pelo menos deve ter se vendido caro, né?

Seu Terapeuta disse...

Victor,
Quanta inocência!
O cara já tinha se vendido faz tempo.
Aliás, o Gilvas tem razão, o cerne do rap é vender o Black to Give $Power$ to the People.
Isso, de alguma maneira, transforma as classes e a luta racial, mas não o sistema, culminando, como exemplo, na eleição do Obama.
Seria mais interessante se você fizesse um ensaio sobre como o Mano Brown está mais para Adidas e Umbro do que para a Nike.
Você teria mais leitores.

Victor da Rosa disse...

a adidas é nazista:

http://oglobo.globo.com/blogs/cuenca/posts/2009/05/23/festa-da-adidas-em-mansao-nazista-189027.asp

Seu contador disse...

Então, seria o marketing perfeito.

Marcos Uchoa disse...

A Puma!

Anônimo disse...

O hip hop nasce na periferia americana, o xaxado nasce no agreste do Pernambuco, o baião na Bahia (não poderia ser diferente) e a valsa em Viena. Entendo o que tu está dizendo √ictor. o resto, aqui, é só besteira.