28.1.10

Notícias de uma guerra particular

Há uma verdadeira guerra entre atleticanos e cruzeirenses no meu bairro, naturalmente. Quer dizer, natural não é a palavra certa, mas o fato é que a guerra existe. No meu prédio, por sua vez, há uma guerra muito especial e particular. Há um fanático no 102 (cruzeirense) e outro no 202 (atleticano). Neste exato momento, aliás, agorinha mesmo, escuto barulho de fogos seguido de um "Chupa, bicharada!", gritado pelo vizinho do 202, o atleticano, e já posso imaginar que saiu gol contra o Cruzeiro, pois o Atlético não joga hoje. Em poucos dias já sou capaz de identificar com extrema precisão a voz de cada um, aliás, já que os gritos são muito frequentes e característicos. O João, um amigo atleticano que mora na rua de cima, já havia me alertado sobre a particularidade do meu prédio. Ele disse que na final da Libertadores do ano passado, quando o Cruzeiro tomou uma virada histórica do Estudiantes, houve até intervenção do síndico - que também é atleticano, mas moderadíssimo, como todo bom síndico - pois os vizinhos discutiam pelas janelas (durante os dois tempos) e um deles, o secador e vencedor do dia, aumentou o hino do Galo a todo som. É por estas e outras que estou pensando em seguir a sugestão de um dos anônimos e me tornar americano, só pra ver o circo pegar fogo.

2 comentários:

Jair Fonseca disse...

Tornar-se americano é a coisa mais mineira que você fará, Victor...
Eita, diplomacia!

Victor da Rosa disse...

hahaha. descobri que a cláudia é americana!