17.2.10

A invenção do doutorado

Programa pra quarta-feira de cinzas: fazer notas de rodapé. Chega um momento em que escrever uma dissertação torna-se puro trabalho operário. Acho que a melhor fase do período da escrita, de fato - a parte mais intelectual, digamos - é quando ainda não começamos a escrever. Só assim temos condições propícias para acreditar que ganharemos o prêmio Cappes do ano seguinte. Agora chego na última linha com um desejo muito confortável de começar tudo novamente. Talvez seja por isso que inventaram o doutorado.

5 comentários:

Í.ta** disse...

essa tua constatação faz sentido, acho.

quando crescer, também vou pensar assim :)

abraço!

Anônimo disse...

vc é a única pessoa que conheço que tá na fase de acabamento da dissertação e já pensa em doutorado. a esmagadora maioria diz que nunca mais que saber de pensar na vida, pelo menos fica acreditando nisso até umas semanas após a defesa. juro, és a única criatuda do meio pósgraduado que conheço que afirmou isso e olha que conheço doutor a dar com pau. ah, e tb é a única que pensou, o que pelo menos teve coragem de falar em público que imaginou que faria um trabalho tão bom a ponto de ganhar um prêmio da capes. tenho um amigo que tenho certeza que até pensou nisso, mas nunca teve essa tua coragem de tornar público.

Anônimo disse...

deixa eu me expressar melhor, pq muita gente faz mestrado pensando no doutorado: és a única pessoa que está nesta fase chata de fim de dissertação e diz que está com VONTADE de fazer tudo de novo. e parece que há sinceridade nessa vontade!

Victor da Rosa disse...

a minha vontade mesmo, de verdade, é ganhar uma grana no jogo do bicho.

Anônimo disse...

jogô na placa do carro do teu irmão?