2.3.10

Espectro ou a arte do desaparecimento

A Espectro Editorial - editora artesanal feita pelo poeta, tradutor e pesquisador Ronald Polito - faz da absoluta discrição a sua maior prática. É a editora, por assim dizer, mais desconhecida do Brasil. Com aproximadamente 30 títulos em seu catálogo - catálogo que, salvo engano, não pode ser encontrado em lugar algum - a coleção é composta principalmente por poesia desconhecida. Seja através de uma antologia da catalã Maria-Mercè Marçal, traduzida pelo próprio Ronald, ou dos poemas liricos de Tristan Tzara, traduzidos por Virna Teixeira - duas de minhas plaquetes preferidas - a Espectro não abre espaço para a facilidade. Pela absoluta radicalidade, aliás, feita sem qualquer concessão a nada - radicalidade que aparece inclusive no rigoroso cuidado das edições (jamais encontrei sequer um erro nas plaquetes que tive a oportunidade de receber) - a Espectro ganha até um ar provocativo. Por outro lado, não há nada a lamentar, como faz a maioria das pessoas que se engaja em um projeto, digamos, de resistência - quando, de fato, está esperando mesmo é encontrar um lugar ao sol. A Espectro opta, parece, feito um fantasma, a permanecer mesmo na neblina. Nada mais anacrônico; ou nada mais contemporâneo.

[correção: são exatamente 35 títulos]


[ foto de Carlos Fico ]

Espectro significa, sim, diversas coisas. Muitos autores de diversas idades, lugares e tradições, muitas línguas, cores, papéis, além de alguns ilustradores, capistas e editores de imagem. Mas também fugacidade, imagem rápida e fugidia. E poucos exemplares, já que são poucos os fantasmas ou os que acreditam neles. O privilégio foi a poesia, sendo que se editou casualmente a prosa e o teatro, presenças espectrais por contraponto. De outra parte, e para minha infelicidade, em geral a literatura que me interessa não tem visibilidade e nem atinge um número razoável de pessoas. O gesto é mínimo porque as coisas simplesmente são assim, desse tamanho. (RP) Fonte: aqui

7 comentários:

Alessandro disse...

Eu ja tive a opurtunidade de ver estas edições de perto e é simplesmente magnifica. Grande abraço ao amigo Ronald Polito.

Anônimo disse...

Eu tenho todas as edições, e todas são impecáveis.

betto disse...

cara como faço para entrar em contato com a especto para ter estas plaquetas

betto disse...

cara como faço para entrar em contato com a especto para ter estas plaquetas

Victor da Rosa disse...

olá, betto. o único jeito é escrevendo ao próprio ronald. um abraço.

betto disse...

Mas sabe me dizer se tu yens o endereço do cara tipo e-mail. se tiver me passa que fico agradecido, abraço.

Victor da Rosa disse...

olá, betto.
o endereço é este: ronaldpolito@hotmail.com
abraço,