8.3.10

Um amontoado de livros velhos

Quando João Cabral faleceu - só agora eu soube disso, mas parece que foi um pequeno escândalo público em 1999 - os seus herdeiros se reuniram para dividir os bens e não sabiam o que fazer com a biblioteca. Sabiam o que fazer com os apartamentos e até com algumas obras de arte - os quadros de Miró, por exemplo - mas o que fazer com um amontoado de livros velhos? Além do mais, aquela montoeira de papel estava ocupando o apartamento do Flamengo - que precisava, naturalmente, ser desocupado. Depois de quebrarem a cabeça durante três ou quatro dias, e cansados de esperar, a melhor opção foi telefonar para um SEBO do RJ, vender toda a coleção por 5 mil reais e dividir a quantia. Em poucos dias, a biblioteca de Cabral virou espuma.

3 comentários:

Í.ta** disse...

a isso dá-se os nomes de simplicidade e objetividade, será?

dá dó, isso sim.

mas é.

o que fazer?

abraço, victor!

Anônimo disse...

nos livros que Cabral ninguém achou palavra-chumbo; só palavra níquel, mesmo...

jacó disse...

mas ia fazer o quê com tanto livro velho? só achei que 5 mil foi pouco, ingenuidade, com certeza não usaram como estratégia de barganha o fato de os livros terem pertencido ao jc. mas também, tinha a pressa de liberar o apê...