26.8.10

Idéias para o inferno



O artista argentino León Ferrari, aqui, talvez seja o responsável por um dos maiores eventos de arte política da última década. No ano de 2004, uma grande retrospectiva de sua obra, realizada no Centro Cultural Recoleta, de Buenos Aires, por seu conteúdo anti-clerical, provocou a fúria de grupos conservadores argentinos - a mesma exposição foi realizada em São Paulo apenas um ano depois e não aconteceu nada - e o resultado foi uma confusão que há muito não se via no circuito de arte. Na ocasião, aconteceram grandes manifestações em torno do Museu, organizadas pela Igreja, e então a exposição foi fechada; depois outras manifestações conseguiram reabri-la; e a situação chegou ao limite de provocar um debate, na televisão, entre bispos, curadores e o secretário de cultura. No debate, o principal ataque da Igreja, estrategicamente, não era necessariamente à exposição, mas ao fato de que exposição estava sendo realizada sob a legitimidade do Estado. León já tinha quase noventa anos.

O trabalho de arte política de León Ferrari - o artista também realiza trabalhos mais formais, digamos - centra suas críticas em duas instituições, dois poderes: a autoridade clerical e o imperialismo estadunidense. Faz poucos anos, curiosamente, León Ferrari realizou uma exposição no MoMa, de Nova York, ao lado de Mira Schendel, e não apareceu nenhuma de suas obras que ironizam o país - a mesma exposição foi realizada na Fundação Iberê Camargo, o que fez León declarar que não se sentia à vontade expondo em um Museu construído para um artista que matou outra pessoa, aqui. Uma boa dose de senso de humor, além de uma consistência rara de linguagem, retiram sua obra do lugar-comum da crítica panfletária. Uma de suas instalações mais divertidas consiste em colocar alguns animais defecando sobre um quadro de Bosch. O vídeo que segue - enviado pelo próprio León há uns cinco anos, quando escrevi um ensaio maior sobre seus grafismos - foi realizado após as polêmicas em Buenos Aires.

3 comentários:

Lengo D'Noronha disse...

Gosto do trabalho do Leon.
Neste vídeo do Ricardo Pons e Leon os anelídeos encontram o mais fértil terreno para se alimentarem.
Nada se sutileza ou entrelinhas.

Anônimo disse...

Demita o editor atual e traga o antigo. Os textos estão chatos. Queremos mais sobre futebol, tias e momentos patéticos da vida.

Victor da Rosa disse...

sobre futebol está difícil, pois meus dois times não param de subir. ano passado é que era bom, com ambos quebrados na segundona.

mas vou tentar escrever uma crônica vez ou outra. acho que ando sem muita imaginação.