1.8.10

A função do olheiro

Tem algo de verdadeiro na história de Lionel Messi: quando ainda era adolescente, com problemas de crescimento, foi desconsiderado por todos os clubes da Argentina, que não quiseram lhe pagar um tratamento que necessitava, e então o Barcelona, além de cobrir o tratamento, levou também toda a sua família pra Europa - até que, quase dez anos depois, como se sabe, Messi tornou-se o melhor jogador do mundo. A rigor, a ida de Messi ao Barcelona acontece graças a um mediador que aparece na cena do futebol de maneira tão discreta quanto fundamental: o olheiro. A definição nos diz que o olheiro é aquele que procura, para o time no qual trabalha, jovens atletas potenciais, seja em campos de futebol de várzea, escolinhas de futebol e nas chamadas peneiras, ou seja: no nada. Pode-se dizer que a singularidade do olheiro consiste em conseguir ver o que os outros não vêem. O olheiro, portanto, é o exato oposto do comentarista. Se o discurso do comentarista nasce voltado para o passado, e sua redundância geralmente decorre disso, o olheiro - que poderíamos associar, seguindo a idéia de Derrida, com o poeta e o profeta, que escrevem olhando para um futuro inaudito, em silêncio, e não com o romancista, tampouco com o cronista - a força do olheiro se deposita inteiramente em um espaço vazio e desconhecido. Sua atuação é silenciosa, de fato, e efêmera, porque consiste apenas em mediar uma passagem. Seu olhar está voltado não para o ato, mas para a potência, enquanto seu gesto – e daí a sua dificuldade – produz brilho em material bruto. Na verdade, mais do que ver o que os outros não vêem, o olheiro vê o que não existe ainda.

3 comentários:

Anônimo disse...

ele vê o que existe em potência.

Sâmara disse...

Victor, será que poderíamos comparar as habilidades de um olheiro com aquelas de um curador de artes visuais? Um sujeito responsável por garimpar algo consideravelmente distinto dos demais. Será?

Victor da Rosa disse...

talvez seja uma função da curadoria, não é? de qualquer modo, acho que os curadores estão mais para treinadores, pois montam um time pronto. o olheiro está mais perto do risco, não sei.

anônimo, acho que você tem razão.