19.8.10

O esporte ou o espelho do espetáculo

Publicado no Sopro

Os textos de Mitologias, de Roland Barthes, em certa medida, são fatos estranhos dentro da trajetória do autor. Muito próximo da crônica, entre a crônica e o comentário – com textos sobre ciclismo, luta livre e striptease –, Barthes adota uma postura bem próxima daquilo que, anos depois, ficou conhecido como estudos culturais. Após sua passagem pelo estruturalismo, no entanto, em meados da década de sessenta – mas também em livros anteriores a Mitologias, como é o caso de O grau zero da escrita e mesmo de Michelet – pode-se dizer que Barthes atua com uma postura mais próxima do texto literário, da busca pelo que chamou de escritura, postura que atravessa inclusive seus ensaios sobre imagem.

Seja como for, Le sport et les hommes (traduzido para o espanhol em 2008, por Núria Petit Fontseré, em publicação da Paidós - edição em que se baseia esta resenha), curioso texto sobre exatamente cinco esportes – tourada, automobilismo, ciclismo, hockey e futebol, nesta ordem –, escrito exclusivamente para um documentário de Hubert Aquin, deve ser lido como uma espécie de continuação do projeto crítico já presente em Mitologias, conforme anota inclusive Gilles Dupuis em um prefácio à edição: “O que se oferece ao leitor é, portanto, um testemunho sobre o esporte e o homem, um testemunho que deve ser lido como o que pretende ser: umas mitologias inéditas” (p. 11)

Publicado na Canadá em 2003, mas escrito originalmente em 1961 – quatro anos apenas depois de Mitologias, portanto, enquanto Barthes já publicava seus primeiros ensaios com outra orientação crítica – o texto de Le sport et les hommes trata o esporte, em resumo, como um fenômeno social e poético, ou seja: um espetáculo. De fato, o significante espetáculo, assim como a idéia de um combate inútil – sendo o espetáculo, segundo Guy Debord, uma relação social mediada por imagens vazias – já aparece nas primeiras linhas, segundo a forma de perguntas: “Que necessidade tem estes homens de atacar? Por que aos homens emociona este espetáculo? Por que participam tanto? Ao que vem este combate inútil? O que é o esporte?”

Para continuar, aqui

Nenhum comentário: