13.6.11

Frio, hein?

.

Por Victor da Rosa para Diário Catarinense

Quando chega o inverno em Santa Catarina, as notícias sobre o frio vendem mais do que manteiga de cacau. Se no verão as manchetes mais esperadas são os assaltos aos argentinos, a passagem de Ronaldinho Gaúcho por alguma balada em Jurerê Internacional e as filas no trânsito do norte da Ilha; no inverno o assunto é um só: a neve na serra. Ou melhor: a promessa de neve na serra. Quase chamam o plantão pra dizer que vai nevar. Dois dias depois estão fazendo contagem regressiva para o recomeço do verão.

Neve é algo da qual se foge, convenhamos. Não é por acaso que uma das cidades mais frias do país, localizada no Rio Grande do Sul, se chama São José dos Ausentes. Galera vaza. Por isso não consigo entender como o excesso de frio pode atrair turistas para uma cidade. “Registro de neve aquece o setor turístico do munícipio”, diz a matéria de um jornal da serra. “Os flocos de neve que caem, infelizmente, ainda são fracos e tímidos”, lamenta o texto de uma outra. As cinco cidades que disputam a liderança pelo frio catarinense são, em ordem alfabética, Bom Jardim da Serra, Lages, São Joaquim, Urubici e Urupema. Elas são o assunto do mês de junho. Depois, no resto do ano, ninguém mais fala nelas.

O noticiário da previsão do tempo, por sua vez, ganha espaço mais nobre. O meteorologista, que é sempre uma figura bem discreta, torna-se agora uma espécie de colunista social. Uma coisa legal de meteorologia, aliás, são os detalhes e o preciosismo. “Uma massa de ar frio, acompanhada de umidade, formada no Rio Grande do Sul, vem da região Oeste, chega a Santa Catarina hoje cedo e se dirige para o oceano Atlântico durante as pró-xi-mas ho-ras”. Quer dizer, o que importa de onde vem o frio, pra onde vai? Não é paradeiro de bandido. Tudo isso poderia ser dito assim: “Galera, se agasalhe porque a situação tá difícil, e não esqueça do guarda-chuva, é isso aí”. Depois o sujeito ainda mostra umas imagens de satélite que eu, francamente, acho bem confusas.

O frio também passa a ser o assunto preferido nos bares, cafés e elevadores. As pessoas ficam discutindo se gostam mais do frio, do calor, do frio com sol ou do calor com vento. Frio com vento, não. Chuva também não. Como se adiantasse alguma coisa teimar com o Absoluto. Algum filósofo já escreveu que não há nada menos criativo do que falar de temperatura. Quer dizer, o que fica abaixo de zero, nestes casos, é a imaginação das pessoas. Seria legal um campeonato de surf agora. E as praias ficam muito mais bonitas no inverno. Mas não. Nos elevadores, os diálogos variam mais ou menos em torno disso:

– Frio, hein?

– Ô!

E tem também os convites que sempre se repetem no começo do inverno. Quem já não foi convidado, em 2011, pra comer fondue de chocolate com os amigos? E buffet de sopa? E a conversa fiada de que cerveja não é legal no inverno? Cerveja é legal sempre. E no inverno, diga-se de passagem, tem a vantagem de não esquentar. Você pode pedir uma Glacial, uma Polar, combina. Daí uma amiga vem dizer que gosta do inverno porque as pessoas ficam mais elegantes, como se a definição de elegância fosse o excesso de roupas. Se disserem que as pessoas ficam mais gordas, por exemplo, eu acho que faz todo sentido, mas por que mais elegantes? Muito elegante usar meia polaina e gorro. Fica parecendo um esquimó. Enfim, faltam uns 250 dias pra começar o verão.

6 comentários:

Anônimo disse...

Gostei do texto. Gosto do inverno e não gosto de calor demais. Gosto, sobretudo, de ir para Urubici no verão, isso sim é bom. Porém nunca fui pra lá no inverno porque não gosto de passar frio demais. Também gosto de ir para praia no inverno (bem agasalhada, diga-se de passagem) porque o céu é mais azul e a areia mais vazia. Não gosto de praia cheia de mais, nem no verão.
Enfim, gostei do texto e procurarei ser mais criativa nos diálogos daqui pra frente.

Karine Cupertino disse...

Faltou falar do vinho, Victor... não é adepto? Proponho um post no verão, falando que o vinho também não é só de uma estação.

Victor da Rosa disse...

Verdade, Karine; no verão eu faço uma crônica falando mal do calor!

mara paulina arruda disse...

Maravilhoso! Eu adoro suas crônicas.

Victor da Rosa disse...

Obrigado, Mara!

Viviane disse...

Estranhamente, apesar das considerações o tema foi o clima. As opções são diferentes e isso não é relevante. Importante é o encontro, a alegria...o motivo, definitivamente, não importa.
Acabo de conhecer teu blog...vou acompanhar.