9.4.12

Dicionário de Frases Feitas

;
Por Victor da Rosa
crônica para Diário Catarinense




No último mês, período em que infelizmente fiquei longe deste espaço, tive que passar por uma situação difícil, coisa que todo mundo já passou na vida ou vai passar algum dia, com certeza – o leitor, para acompanhar meu raciocínio, pode imaginar qualquer uma das cinco situações seguintes, tanto faz: 1) perda de um ente querido; 2) pé na bunda da namorada; 3) demissão no emprego; 4) queda do time de futebol para a segunda divisão; ou 5) início da calvície – e vou dizer que descobri algo com a experiência. Descobri que as pessoas, para consolar a gente, quando não têm absolutamente nada pra dizer, elas recorrem às frases feitas.

Claro que as pessoas não fazem nada disso por mal. Muito pelo contrário: pior é que elas fazem por bem, cheias das boas intenções. É que tem momentos na vida em que não há mesmo o que dizer. O teu amigo ficou careca, e aí? Paciência. No máximo, você pode dar um pente pra ele de presente, tirar uma onda, fazer o sorriso do rapaz retornar das férias. Mas na hora de dizer alguma coisa que vai acabar de uma vez por todas com a tristeza do rapaz, você pensa e não vem nada. Afinal, nem tudo na vida se resolve com uma pesquisa no Google. E é verdade também que ficamos um pouco apavorados na hora da tristeza. Ninguém nos ensinou a lidar com ela. E é aí que recorremos à amiga inseparável e conselheira de todas as horas: a frase feita.

Na verdade, minha descoberta nem é lá uma grande descoberta, mas com ela pude montar um dicionário muito útil de clichês, dicionário que intitulei “Frases para dizer aos amigos mais próximos que passam por momentos difíceis na vida”. A maioria das frases feitas, segundo minha pesquisa, diz respeito ao tempo: “Você tem que dar tempo ao tempo”, “O tempo é o melhor remédio”, “Vai passar”, “Nada como um dia após o outro”, “Depois da tempestade sempre vem a calmaria”, dentre outras. Na verdade, a última não se diz com tanta freqüência talvez porque seja muito longa; mas as outras, sim. “Vai passar”, por sua vez, talvez por ser a frase mais curta de todas, sempre vem acompanhada de dois tapinhas nas costas. O tapinha nas costas é a representação corporal da frase feita. Em tempo: detesto tapinha nas costas.

Algo curioso sobre essas frases acima citadas é que todas dizem exatamente a mesma coisa: elas dão a esperança de que o futuro será legal, mas reconhecem que o presente, de fato, está difícil. Mas têm também aquelas frases – as piores de todas – que nos fazem reviver o passado. “Aqui se faz, aqui se paga” é uma frase feita bem freqüente, como toda frase feita, e verdadeira também, assim como “A gente tem que se responsabilizar pelos nossos atos”, que significa a mesma coisa que a anterior. Ambas são ditas geralmente pelos nossos pais. “Não adianta chorar pelo leite derramado”, por outro lado, considero a mais equivocada das frases feitas, pois ninguém chora porque “adianta”, e sim porque está triste.

Mas se você quiser dar uma floreada no clichê, ou seja, se você preferir dizer coisas que pareçam mais importantes, a recomendação é recorrer às frases dos grandes poetas e filósofos, pois eles também têm seus momentos de fraqueza. Por exemplo, esta frase feita do Byron: “Os espinhos que te feriram foram produzidos pelo arbusto que você plantou”; ou esta do Schopenhauer, que pode dar um trabalhinho pra decorar: “A glória é tanto mais tardia quanto mais duradoura há de ser, pois todo fruto delicioso amadurece lentamente”; e até mesmo Nietzsche sucumbiu às delícias da frase feita, e com rima ainda por cima: “O que não provoca minha morte faz com que eu fique mais forte”. Todas têm o mérito de servir pra qualquer situação.

3 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom esse seu senso de humor nas crônicas! Já estava com saudade de lê-las no DC.

Victor da Rosa disse...

Opa, muito obrigado!

Anônimo disse...

aquelas emputecidas: "da próxima vez que tu passar por um momento difícil vai procurar a puta que o pariu pra conversar! a pessoa quer ajudar e acaba virando motivo de piada. vá...." kkkk (escrevo kkk caso tenhas dúvidas sobre a autoria) a crônica tá muito boa, só faltou uma dedicatória, rs.

um beijo.
ah, e é claro que tu não vai publicar esse comentário, né? rs