2.4.12

Um ensaio no Sopro #68

Foi publicado no Sopro deste mês, o número 68 - lembro quando saiu o primeiro! - um ensaio meio longo que escrevi para a conclusão de dois cursos que realizei no doutorado. Trata-se de uma reflexão sobre uma série de textos que Flávio de Carvalho - o pintor, arquiteto, antropólogo, estilista, etc. - escreveu sobre moda, ainda na década de 50, mas que só agora, em 2010, foram reunidos em livro. No ensaio, que intitulei O homem em farrapos, procuro reconstruir esta imagem tão interessante e recorrente em seus textos sobre moda, que serve para pensar seu New Look e, na verdade, serve para também pensar toda a trajetória de Flávio, ele próprio uma figura em farrapos, fragmentada e desclassificada. Enfim, espero que possam ler e curtir o texto.



5 comentários:

Anônimo disse...

Vc sempre me faz ler e buscar coisas que para mim são novas ou estavam, sei lá, adormecidas.

"Conheci" o Flávio de Carvalho vendo a sua Série Trágica no MAC em SP.

Foi muito marcante.
Ainda rende.

Vou baixar a Sopro, então.

Victor da Rosa disse...

Esta série de desenhos é mesmo um absurdo, não é? Flávio foi muito longe com aquilo.

Sim, o Flávio rende muito. Também porque ainda foi pouco lido, mas não só por isso. Esses textos sobre moda, por exemplo, foram apenas recentemente editados em livro. Ninguém dos cursos de moda conhece.

Aliás, o Sopro também tem publicado uma série de textos de Flávio inéditos em livro. Coisas publicadas em jornal. Você encontra tudo ali.

Obrigado pela visita!

mayná quintana disse...

oi, victor

tenho esse livro do FC de quando foi lançado, mas confesso que ainda não consigo ver tudo isso nele, além de ser divertido. me deixa sempre a sensação de que as imagens e os títulos é que valem todo o resto.

quanto ao coccia, pra mim foi um dos grandes achados aquela ediçãozinha feita pela cultura e barbárie.

ainda há coisas muito pouco exploradas sobre moda. uns não ousam por arrogância, e outros por incapacidade mesmo.
parabéns pelo texto!

bjao

Victor da Rosa disse...

mayná, querida

de fato, acho que Flávio não é um grande escritor, por exemplo - os textos sempre são feitos de anotações: frases meio grosseiras, pontuação indecisa, etc - mas talvez um grande pensador. acho que, sobretudo, muita coisa pode ser pensada a partir dele.

diferente do coccia, claro, que além de tudo escreve super bem; também achei 'a vida sensível' um livro realmente incrível.

obrigado pela leitura e pelo comentário!

beijos!

bibi move disse...

Vitor! quero muito ler e quero demasiado conversar contigo sobre panos e farrapos- por conta do projeto do Stitching Time no qual estou trabalhando e sobre o qual estou também escrevendo!