26.11.12

Uns dias em Chapecó

Por Victor da Rosa
crônica publicada no Diário Catarinense

Nas últimas semanas, feito um desbravador que ruma pelo desconhecido em busca de aventuras, como faziam os portugueses em suas caravelas quando chegaram ao Brasil e encontraram milhares de índios pelados, tenho ido a outras cidades de Santa Catarina, a convite do SESC, pra falar sobre crônicas. Só não vou de caravela, e sim de ônibus da empresa Reunidas ou da Catarinense. A última das cidades que visitei foi Chapecó.

O primeiro drama pra quem vai a Chapecó, pelo menos pra quem deverá sair de Florianópolis, já começa a se delinear no momento em que você sabe que terá que ir a Chapecó; é muito longe. O caminho de ônibus até o oeste catarinense é qualquer coisa de épico, principalmente quando tem alguém mastigando dois pacotes de fandangos atrás de você. Além do barulhinho, que já irrita, aquilo empesteia o ambiente em um raio de 15 metros quadrados, pelo menos. Por que não é proibido? Raimundo Colombo tem ações na Elma Chips? Deveria ser proibido comer fandangos em ônibus de viagem, da mesma maneira que é proibido, por exemplo, invadir propriedades particulares. Deveria ser um dos 10 mandamentos de Jesus.

Em Chapecó, embora seja uma cidade com nome guarani, parece não haver muitos índios. A população mais visível do centro da cidade consiste nos agro-boys, aqueles sujeitos que usam chapéu e bota, andam de picape prata e não sabem diferenciar uma vaca de um boi. Pelo menos foi o que me disseram lá. Depois dos agro-boys, a população mais visível de Chapecó consiste de 1) colorados, 2) gremistas e 3) mulheres de saia curta. No bar do Boca, onde passei minha tarde de domingo, as pessoas todas se reúnem pra assistir os jogos do Inter, o que prova de uma vez por todas que os gaúchos estão, pouco a pouco, conquistando o Brasil. Os garçons atendem de chapéu e bombacha.

Além disso, fiquei impressionado com a quantidade de carne que as pessoas comem nos restaurantes. É um prato pro arroz com feijão, às vezes alguma salada, e outro só pra carne. Em todos os restaurantes há um ou dois churrasqueiros que oferecem uma variedade louca de carnes. Na medida do possível, eu tentava observar o prato dos outros. Houve casos em que o sujeito se servia de carne depois da refeição, como se fosse sobremesa.

No sábado, dia 17, ainda tive a sorte de ver o primeiro jogo da semifinal da série C entre Chapecoense e Oeste, no estádio Índio Condá, que estava lotado. Fui apenas pra apreciar o futebol, mas em 5 minutos eu já estava torcendo pra Chapecoense. O futebol – aliás, outros esportes também – tem disso. Em dois minutos você está torcendo pra alguém, por mais que não tenha qualquer relação com algum dos lados. Aos quinze do segundo tempo, presenciei uma cena curiosa. No sistema de som do estádio, o locutor anunciou, como se anunciasse uma substituição, que “um audi prata, placa tal, ficou no estacionamento com o vidro meio aberto”. Em que outro lugar do mundo haveria tamanha precisão e generosidade?

Voltei de Chapecó com bons amigos, como um taxista que, ao descobrir que eu arranhava na língua de Cervantes, só queria conversar comigo em portunhol durante as corridas, pois fazia tempo que ele não praticava; um professor da Universidade de Chapecó, que sempre que ouvia alguém com o som do carro ligado no último volume, geralmente ouvindo sertanejo, buzinava no ritmo da música pra estudar a reação do adversário; entre outros. Na viagem de volta, alguém mastigava fandangos outra vez.

20 comentários:

Anônimo disse...

Parece aquela música: "Churrasco e bom chimarrão, fandango(s)..." :p

Ronny disse...

conhece linha aerea Florianopolis - Chapeco?

J. disse...

Não sabe que tem pelo menos 5 vôos diários Florianópolis-Chapecó?

Bem característico esse arzinho de superior de mais um desinformado e alienado...

Aliás... deixa prá lá. Continue (sempre) achando difícil vir prá cá. Melhor assim...

J. disse...

Não sabe que tem pelo menos 5 vôos diários Florianópolis-Chapecó?

Bem característico esse arzinho de superior de mais um desinformado e alienado...

Aliás... deixa prá lá. Continue (sempre) achando difícil vir prá cá. Melhor assim...

Marvin (Sérgio Rodrigues) disse...

Maldito salgadinho que te persegue. Rsds

Marvin (Sérgio Rodrigues) disse...

Agora... engraçado mesmo é criticar de uma maneira asquerosa e não ter coragem de deixaro nome completo, não é? Sr. misterioso J...

Anônimo disse...

Lamentável tamanha ignorância em tão pouco espaço... gostaria de saber uma coisinha só mais: Chapecó fica longe do que mesmo? deve ser do centro do mundo né? e nesse caso, o centro do mundo deve ser a sua cidade... e Nova Iorque, Berlim, Londres, ficam perto ou longe? Hã? Me responda?

Estilo Chapecó disse...

Tenho que concordar contigo sobre os fandangos, mas tenho uma péssima notícia para te dar: eles são permitidos em outros estados, até nas viagens interestaduais levam fandangos e cheetos, meu amigo, que é mto pior! Vc não tem ideia!
Mas, veja bem, tem mto mais coisa e gentes em Chapecó que agro boys e mulheres de saia curta, embora eles também existam em abundância.
Da próxima vez, venha de avião, e com mais calma... hahaha

Marlene disse...

Sugiro que pegue um voo pra vir pra Chapecó da próxima vez e que faça uma pesquisa sobre a cidade antes de falar tanta asneira. Chapecó é a quinta economia do estado, mas isso vc não deve saber né? afinal falar sobre um salgadinho que alguém come dentro do ônibus deve ser muito mais importante pra vc. Matéria de quinta!!

Anônimo disse...

Da próxima vez que vir pra Chapecó, venha de avião assim em vez de alguem comendo um salgadinho vai ter alguém comendo um amendoim. Chapecó é a quinta economia do estado vc sabia? com certeza não é pq falar sobre a distancia da cidade e sobre o gosto das pessoas por carne deve ser muito mais impotante pra vc. Quer saber, sinto pena de ignorantes da tua laia!!

Guiomar Baccin disse...

Eu também fico impressionado com a quantidade de carne que esse povo consome! hehehee

Anônimo disse...

kkkkkkkkkkkkkkk povo se incomodou? Meu caro....qualquer lugar de buzão é longe e sim tem 5 voos mas já viu o ridículo preço das passagens???? Sem promoção antecipada..mais barato ir pro Nordeste...E sim...aqui se cultua o churrasco..mesmo sem pia.....rrs.....enquanto que na terra do autor qualquer espelunca que se aluga tem COZINHA.... não sabem que é questão cultural não?
AFF falta de senso de humor...( ah se falasse td ....)

Anônimo disse...

Chapecó foi ignorada do resto do estado por mais ou menos cinquenta anos.... só falam em litoral em praias, aqui o povo trabalha e muito para sermos bem representados na economia do estado, achei ridícula a crônica, deu mais importância ao fandangos do ônibus, e churrasco ? gostamos muito sim e dai? algum problema? nenhum!isso é de cada região são características que diferem e ai que vem o melhor de tudo a diversidade de cada região, no litoral come-se muito marreco recheado acho estranho mas e daí? é muito bom, penso que foi totalmente infeliz ao ver Chapecó assim.

Crisi disse...

Achei o máximo a tua matéria, em especial os comentários dos tradicionais ofendidos de Chapecó, aqui é o lugar com a maior concentração de gente ofendida e que toma as dores dos outros por m² do mundo, acho incrível! E volte sempre e se possível venha pelo ar é bem mais rápido!

Anônimo disse...

Caro Victor, caso não saiba...o oeste também faz parte da SUA terra, com seus costumes e tradições. Imagina se você fosse para a Rússia e visse homens se beijando, para a Holanda, com mulheres nuas servindo em um bar, em Ibiza com mulheres dançando nuas em casas noturnas bem frequentadas, gente comendo insetos na China...questões culturais de um povo são inquestionáveis. Quem não consegue conviver com a diversidade, não viaje!

Anônimo disse...

EITA NOIS AQUI DE CHAPECO TEMO MUITO PREUCUPADO COM SUA OPINIAO, ACREDITO Q SUA PESSOA NAO TEM NEM CASA PROPRIA DEVE MORA DE ALUGUEL E VIVE DA PROFISSAO DE BLOGUEIRO.HHAHAHHAHAHA
ISSO É UMA PROFISSÃO, VE SE VC SE ENCHERGA E VA ARUMA UM EMPREGO DE VERDADE. E DEPOIS APARECE AQUI DENOVO PRA VE Q Q TE ACONTECE..BONECA

Samara disse...

Tive que rir ao ler tua matéria. Foi a única reação que tive, já que parece que foi feita para isso. Demonstra tua falta de informação sobre nosso povo.. E inclusive, a mulherada de Chapecó é muito linda! Por isso as saias curtas! Não é toda população feminina de SC que pode mostrar as pernas como as chapecoenses! Sem contar com a simpatia do nosso povo, a qual eu vi no teu texto citada ironizando o taxista que tentou conversar contigo, imagino que ele ao ler isso vai se sentir um estúpido por ter tentado achar algo em comum com a pessoa culta do litoral. Sugiro que venha e conheça também nossos CTG's, faculdades, projetos sociais e o dia-a-dia do chapecoense e do pessoal do oeste de SC, que trabalha muito para sustentar o restante do estado com a carne, milho, soja, etc!

Anônimo disse...

Meu Deus... Depois de ler esses comentários, eu me pergunto: ainda dá ânimo de escrever para leitores com tamanho baixo nível de letramento?

Da próxima vez, escreva uma crônica explicando o que é uma crônica, por favor. Ou um texto aqui no blog explicando a diferença entre MATÉRIA, REPORTAGEM e CRÔNICA, pois pelo visto esse pessoal confunde tudo...

Sei lá, mas esse povo que leva crônica à sério me irrita tanto!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Socorro! rs...

Leidi disse...

Primeiramente: malditos fandangos mesmo!!! Sou chapecoense de berço e de coração, mas ao contrário dos meus conterrâneos revoltados, concordo com quase tudo que está escrito nessa crônica: sim meu povo, aqui se come muito churrasco mesmo, e realmente quem vem pra cá e não conhece a cidade, tem uma imagem muito retorcida dela (interior, terra de índios, etc, etc, etc...) Mas me alegra saber que fez bons amigos aqui...
Bem, é sempre interessante saber como é nossa cidade, vista com os olhos dos outros, e com certeza caro Victor, venha mais vezes que será bem vindo para desbravar e desmestificar essa terra do "velho oeste"!!!

Anônimo disse...

Nossa gente ... eu acho que é a visão que algumas pessoas tem ao ficar pouco tempo em Chapecó .. é claro que existem pessoas muito além disso, mas não é em um final de semana que se conhece! Concordo com tudo o que ele falou,gostei muito! e venha sempre que quiser pra cá e conheça mais das pessoas da cidade, tenho certeza que vai gostar muito ;)

E aos demais, um pouco mais de educação e tolerancia não faz mal a ninguem, e se ficou tão irritado, é porque se enchergou em algum comentario . hehehe agro-boy talvez ? heheheheheh